Golpe com cheque fica cada vez mais sofisticado; incluem até assinaturas ‘perfeitas’

Com o uso em queda nos últimos anos, os cheques têm sido alvo de golpes requintados em São Paulo. Especialistas em reproduzir “assinaturas perfeitas” e até sequestro de celular são alguns dos recursos usados por quadrilhas para lesar as vítimas, sem precisar enganá-las para obter informações e praticar o crime. A sofisticação dos bandidos, porém, também convive com estelionatos “clássicos”.

Dias após usar um cheque, a administradora de empresas Patrícia Andreolli, de 42 anos, percebeu um débito de R$ 2.450 na sua conta bancária. “Era de um cheque que eu nunca tinha dado”, afirma. O valor, diz, era exatamente o que tinha na conta.

Patrícia conta que o cheque clonado era “perfeito”. “Até a assinatura, diria que fui eu que fiz”, diz. O dinheiro foi ressarcido pelo banco, mas o caso a fez se sentir insegura. “Houve acesso ao meu RG, CPF. Meu medo era que usassem os dados para outros golpes.”

O técnico de telecomunicação Erick Pondiolli, de 41 anos, também teve o cheque clonado depois de realizar um depósito. “Eu mesmo pus o cheque no caixa eletrônico para a minha própria conta”, diz. O verdadeiro tinha o final 52. O falso, 55. “Essa folha nunca foi usada. Tenho o original na carteira até hoje.” O valor era de R$ 4,9 mil e foi restituído pelo banco.

Em março, uma operação do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), órgão da Polícia Civil que apura crimes contra o patrimônio e a fé pública, prendeu nove integrantes de uma quadrilha de falsificação de cheque. Outros seis estão foragidos até hoje.

Segundo as investigações, os bandidos escolhiam os alvos com base em fichas cadastrais de banco – um indicativo de que tinham informantes dentro de agências. O esquema conseguia movimentar até R$ 600 mil por mês e tinha, entre as vítimas, juízes, promotores e delegados.

Para o golpe, a quadrilha se valia de um especialista em falsificar assinatura, conhecido entre os investigadores como “o artista”. Os criminosos também “sequestravam” a linha telefônica da vítima. Quando o banco ligava, era o bandido quem autorizava a transação.

Vulnerabilidade

 “O avanço da tecnologia abriu novas frentes de trabalho para as quadrilhas”, afirma o coronel José Vicente Filho, especialista em segurança pública. “Os bandidos também procuram a vulnerabilidade da vítima, então se valem de pessoas que não sabem lidar com e-mail ou aplicativos, principalmente idosos.”

Em nota, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) afirma que os bancos investem cerca de R$ 2 bilhões ao ano em sistemas e ferramentas de segurança da informação. “Diversos golpes, porém, usam de artimanhas de engenharia social, ou seja, técnicas de persuasão”, diz.

 Segundo a Polícia Civil, um desses golpes envolve estelionatários que ligam para vítimas se passando por funcionários do setor de segurança dos bancos. Após obter informações, como o número de série do cheque, conseguem praticar o crime.

Queda

Dados da Serasa Experian indicam que o número total de cheques compensados em São Paulo caiu cerca de 81,2%, na comparação entre os anos de 2001 e 2016. Apesar do recuo, a ordem de pagamento ainda é bastante usada, em especial como forma de garantia em transações comerciais.

Esquemas clássicos

– Empresa de telefonia

O criminoso se passa por funcionário de empresa de telefonia, diz que foi detectado problema no aparelho e pede para a vítima digitar um número fornecido por ele. Com a ação, a quadrilha consegue clonar o número da linha. A Polícia Civil alerta que empresas telefônicas reais não fazem esse tipo de pedido aos clientes.

– Internet

A vítima recebe um e-mail com assuntos variados, que vão de supostas cobranças a pedido de ajuda para crianças desaparecidas. Ao clicar no link ou abrir o arquivo, um vírus capaz de capturar senhas e números de cartões é instalado no computador. A Polícia Civil alerta para apagar todos os e-mails desconhecidos.

Deixe um comentário

você pode gostar também Mais do autor