Em sua reestreia, Julio Cesar não é exigido e Flamengo vence o Boavista

O Flamengo segue cumprindo seu papel no Campeonato Carioca. Nesta quarta, no Estádio Raulino de Oliveira, uma vitória tranquila por 3 a 0 sobre o Boavista. Julio Cesar, grande personagem da noite, teve uma reestreia sem sustos pelo clube que o revelou e do qual é torcedor. Valeu pela justa homenagem.

Os gols foram marcados por Rodinei, Diego e Paquetá – os dois últimos de falta.

Agora, o Fla terá pela frente o Macaé, no sábado, pela Taça Rio. O técnico Carpegiani mandará a campo um time alternativo. Na próxima quarta, dia 14, tem duelo decisivo pela Copa Libertadores contra o Emelec, em Guayaquil.

UM MERO ESPECTADOR
As atenções estavam voltadas para Julio Cesar, mas o camisa 12 foi um mero espectador dentro de campo. O Boavista não exigiu uma defesa do capitão do Rubro-Negro.

Sua atuação na primeira etapa se resumiu em um tiro de meta, duas reposições com a mão e um passe curto para o lateral-esquerdo Renê.

Depois do intervalo, Julio seguiu tranquilo. Cortou bem um cruzamento e defendeu uma falta de Renan Donizete. Reestreia tranquila.

MUDANÇA TÁTICA
O começo do jogo indicou uma mudança tática no time de Carpegiani. O técnico alterou as posições de Everton Ribeiro e Lucas Paquetá. O primeiro saiu da ponta direita e foi para o centro atuar ao lado de Diego. O segundo fez o caminho inverso.

No primeiro tempo, Paquetá repetiu as boas atuações recentes. Com lances de efeito, criou chances perigosas e sofreu faltas na entrada da área, mas o Fla não aproveitou.

Depois do intervalo, quem cresceu de produção foi o Everton Ribeiro. O camisa 7 vem oscilando na temporada, mas consegue encontrar bons passes. Foi assim para deixar o xará Éverton na cara do gol, mas Rafael saiu bem, fechou o espaço e evitou que o atacante abrisse o placar.

REPETIU A FINAL DA TAÇA GUANABARA
Assim como na final da Taça Guanabara, o Fla impôs ritmo mais forte depois do intervalo e repetiu a vitória. Desta vez, porém, foi por 3 a 0. O primeiro gol foi de Rodinei, em chute de fora da área e com a colaboração do goleiro Rafael.

Diego, em cobrança certeira de falta, fez 2 a 0. O camisa 10 não fazia um grande jogo, mas mostrou a qualidade de sempre na bola parada.

Minutos depois, foi a vez de Paquetá fazer o seu golaço de falta. A falta, outra na entrada da área, foi mais à esquerda, ficando mais à feição do camisa 11.

DOURADO NA ‘GELADEIRA’
Quem ficou devendo foi Henrique Dourado, que não tinha ido bem diante do mesmo Boavista na decisão. O Ceifador, sem se livrar da marcação de Gustavo Geladeira, teve apenas uma grande chance. A zaga adversária parou pedindo impedimento, mas o jogo seguiu e o camisa 19 finalizou muito mal, para fora.

FICHA TÉCNICA
BOAVISTA 0 X 3 FLAMENGO

Estádio: Raulino de Oliveira, em Volta Redonda (RJ)
Data: 7/3/2018, às 21h45
Árbitro: João Ennio Sobral (RJ)
Assistentes: Thiago Rosa de Oliveira (RJ) e Thiago Gomes Magalhães (RJ)
Cartões amarelos: Elivelton (BOA) e Diego (FLA)
Público e renda: 2.842 pagantes / R$ 67.000,00
Gols: Rodinei, 11’/2ºT (0-1), Diego, 36’/2ºT (0-2) e Lucas Paquetá, 42’/2ºT (0-3)

BOAVISTA: Rafael; Gabriel, Gustavo, Elivelton e Julio Cesar; Douglas Pedroso (Renan Donizete, 35’/2ºT) , Willian Maranhão e Marquinhos (Thiaguinho, 25’/2ºT); Lucas, Tartá (Cláudio Maradona, 21’/2ºT) e Felipe Augusto – T:Eduardo Allax

FLAMENGO: Júlio César; Rodinei, Rhodolfo, Juan e Renê; Cuéllar, Diego, Everton Ribeiro (Willian Arão, 30’/2ºT), Lucas Paquetá e Everton (Geuvânio, 38’/2ºT); Henrique Dourado (Felipe Vizeu, 30’/2ºT) – T: Paulo César Carpegiani.

Deixe um comentário

você pode gostar também Mais do autor