operação constata desmatamento em Extremoz e Pedro Velho

- publicidade -

A quarta edição da Operação Mata Atlântica em Pé, lançada na última segunda-feira (21), já está em andamento no Estado. Em parceria, o Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) e o Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Idema) atuaram em área desmatada nos municípios de Extremoz e Pedro Velho. O objetivo da operação é justamente é coibir o desmatamento de regiões de floresta que integram Mata Atlântica, protegendo o bioma.


O Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça com atuação na defesa do Meio Ambiente (Caop-MA), enviou informações do Mapbiomas e do SOS Mata Atlântica para o
as Promotorias de Justiça. A partir disso, as unidades ministeriais requisitaram a vistoria das áreas ao Idema.

Em Pedro Velho, foi verificada a prática de desmatamento irregular em 27 hectares para o plantio de cana-de-açúcar. O responsável pela propriedade foi notificado a paralisar os serviços e comparecer ao Idema para regularizar sua situação junto ao Órgão Ambiental. Em Extremoz, o desmatamento foi além de área licenciada pelo Idema, em uma das propriedades mapeadas na operação – as áreas degradadas se destinam a empreendimentos imobiliários.

“Recebemos do MPRN os alertas para possíveis áreas desmatadas, contudo diante das constatações no local, será necessário retornar a região com drone para termos informações mais detalhadas para posterior autuação, uma vez que necessitamos desses dados para subsidiar o Auto de Infração, assim como o bioma existente no local, o qual será confirmado pelo Setor Florestal”, afirmou a coordenadora do setor de Fiscalização do Idema, Kelly Dantas.

O Setor de Geoprocessamento do Idema, pelo levantamento feito nas áreas, tomado com base nos alertas enviados e informações apuradas, fará uma análise detalhada para posterior adoção das medidas cabíveis, caso haja confirmação de desmatamento ilegal.

A iniciativa busca a proteção e a recuperação do bioma a partir da identificação das áreas degradadas nos últimos anos e dos responsáveis pelas agressões, para cobrar a reparação dos danos e outras medidas compensatórias.

Entenda a Operação Mata Atlântica em Pé

1ª fase:
Levantamento das áreas desmatadas:
Com apoio da Fundação SOS Mata Atlântica e do Mapbiomas Alerta, são identificados via satélite como áreas desmatadas nos 17 estados onde há presença do bioma Mata Atlântica.

2ª fase: Identificação dos proprietários e caracterização das áreas
O Ministério Público, em conjunto com os órgãos públicos ambientais e policiais ambientais, identificação dos proprietários, preenchidos históricos, de uso e conservação da área e cruzamento com bancos de dados

3ª fase: Fiscalização e autuação
Os órgãos públicos ambientais e polícias ambientais realizam a fiscalização das áreas desmatadas, em campo ou meio remoto, e adotam as medidas administrativas cabíveis

4ª fase: Responsabilização pelos danos ambientais
O Ministério Público, com base nas fiscalizações, adota providências extrajudiciais ou judiciais para um integral dos problemas e responsabilização dos infratores.


*com informações do Idema

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode sair do site, caso não concorde. Ok Saiba mais