“Julho Verde” recebe parecer favorável da Comissão de Saúde

????????????????????????????????????
- publicidade -

Na tarde desta segunda-feira (05), a Comissão de Saúde se reuniu no plenário da Câmara Municipal de Natal, e apreciou sete projetos, sendo seis aprovados e um designado à relatoria. Com isso, as propostas tiveram tramitação concluída após receberem pareceres favoráveis dos membros do colegiado. Um dos destaques da reunião foi para o Projeto de Lei n° 082/16 do vereador Paulinho Freire (SD), que institui no município do Natal a campanha “Julho Verde”, dedicado às ações educativas para a prevenção do câncer de cabeça e pescoço.

“O projeto do vereador Paulinho é de extrema importância por se tratar de um tipo de câncer que merece nossa atenção: o cabeça e pescoço. Quando o paciente bebe e fuma aumenta 20 vezes a chance dele ter algum câncer, principalmente os em questão. Vale salientar que além da tireoide, a contaminação do HPV é um dos vírus mais recorrentes em nossa cidade, e que ocasiona não só câncer do colo do útero, como também é um dos responsáveis pelo câncer de boca”, avalia a vereadora Carla Dickson (PROS), destacando que o “Julho Verde” vai intensificar a vacinação contra o HPV, que é gratuita para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 12 e 13 anos.

Também foi destaque o Projeto de Lei n° 050/17 da vereadora Júlia Arruda (PDT), que altera o seu próprio Projeto de Lei n° 057/15, que trata do chamado “Teste do Coraçãozinho”. Ao alterá-lo, a vereadora propõe que a verificação poderá ser feita por qualquer membro da equipe de enfermagem que presta assistência ao neonato, ou seja, por enfermeiros e técnicos de enfermagem. O teste é uma ferramenta de triagem neonatal para rastrear cardiopatias congênitas críticas, considerando-se que a incidência desse tipo de cardiopatia é de 1 a 2/1000 bebês nascidos vivos, e que se tratam de cardiopatias que necessitam, na maioria das vezes, de intervenção e tratamento imediatos.

Também recebeu parecer favorável, porém com ressalvas, os Relatórios da Saúde do segundo quadrimestre de 2014 e também o relatório final deste mesmo ano. “Todas as despesas do município precisam passar pela Comissão de Saúde, isso é lei. Mas nós vereadores não temos competência para avaliar financeiramente, visto que não somos contadores e não temos capacidade para tal. Sendo assim, iremos encaminhar os relatórios de 2014 para os órgãos competentes, e por isso foi dado o parecer favorável, porém com ressalvas”, explica Fernando Lucena (PT), presidente da comissão.

A próxima reunião da comissão será externa, e como destaca o vereador Franklin Capistrano (PSB), umas das premissas desta comissão é fiscalizar as unidades de saúde, e saber se elas estão funcionando em perfeito estado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode sair do site, caso não concorde. Ok Saiba mais