Aprovado projeto que veta incentivos a empresas envolvidas em corrupção

- publicidade -

Nesta quarta-feira (11), a Câmara Municipal de Natal aprovou em segunda discussão o Projeto de Lei n° 210/2018 de autoria do presidente da Casa, vereador Paulinho Freire (PSDB), que proíbe o Município de conceder incentivo fiscal à empresa que tenha envolvimento em corrupção de qualquer espécie. A matéria foi subscrita pelos vereadores Cícero Martins (PSL), Fúlvio Saulo (SD), Preto Aquino (Patriota) e Robson Carvalho (PMB).

“A concessão de incentivo fiscal à empresa envolvida em corrupção é inadmissível e incoerente com os preceitos do Estado Democrático de Direito, pois os prejuízos advindos da corrupção, como o desvio da aplicação de recursos públicos para a propriedade particular e o desvio do curso natural de projeto de iniciativa social para o interesse e o enriquecimento ilícito estão degradando o país”, afirmou o vereador Fúlvio Saulo, ao defender a proposta.

“Temos que coibir a corrupção de todas as formas, porque é um problema que trava o desenvolvimento da sociedade. Dentro desta perspectiva, nada melhor do que aprovar um projeto como esse que afasta empresas envolvidas com corrupção da gestão municipal”, acrescentou o vereador Robson Carvalho.

Na sequência, o plenário deu parecer favorável, também em segunda discussão, a duas proposições na área da Saúde: uma do vereador Sueldo Medeiros (PHS) que dispõe sobre a disponibilização de locais de descanso para os profissionais de enfermagem nos equipamentos de saúde do Município e outra do vereador Ney Lopes Júnior (PSD) que estabelece o direito do paciente a acompanhante durante o atendimento ou a internação nos serviços públicos e privados de saúde.

Educação e Turismo também foram contemplados com o texto da vereadora Eleika Bezerra (PSL), que autoriza a instituição do Programa Municipal de Saúde Vocal e Auditiva de Professores da Rede Municipal de Ensino, e o do vereador Fúlvio Saulo, sobre a criação de Roteiro Turístico-Ecológico oficial da capital potiguar.

Em regime de urgência, 40 projetos de lei pendentes entraram na pauta de votação, sendo 15 aprovados. A urgência dispensa interstícios, prazos e formalidades regimentais, e pode ser requerida para oferecer celeridade para a tramitação das matérias legislativas.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode sair do site, caso não concorde. Ok Saiba mais