Após 1ª denúncia, MP deve investigar Flávio Bolsonaro por lavagem de dinheiro

- publicidade -

O inquérito das rachadinhas, esquema criminoso de desvio do salário de servidores da Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro), do qual o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) é investigado, deve avançar neste ano. Segundo quem acompanha as investigações, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) também poderá entrar no foco do Ministério Público do Rio (MP-RJ). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

A intensificação das investigações no ano passado levou à prisão, em junho, do ex-motorista Fabrício Queiroz, escondido em Atibaia, em propriedade de Frederick Wassef, advogado da família do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). No início de novembro, o MP-RJ denunciou Flávio, sua mulher, Queiroz e outros 14 ex-assessores do gabinete do filho do presidente. A denúncia de 290 páginas aguarda análise do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ).

Queiroz é apontado como operador do suposto esquema que teria sangrado os cofres da Assembleia Legislativa do Rio por mais de dez anos.

Ficaram de fora da peça ajuizada pelos promotores pontos-chave da investigação. Um deles é o suposto uso de uma loja de chocolates na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, para lavar dinheiro. O ex-deputado e um sócio, suspeitam os investigadores, praticariam fraudes em uma franquia da Kopenhagen. Usariam a contabilidade do negócio para “esquentar” dinheiro supostamente desviado dos salários de funcionários nomeados por Flávio. Eles não trabalhariam e repassariam parte dos vencimentos a Queiroz. A defesa de Flávio sempre negou as acusações.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode sair do site, caso não concorde. Ok Saiba mais