Com novos apoios a Baleia Rossi na Câmara, Bolsonaro paralisa reforma ministerial

*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL 28.10.2019 Baleia Rossi (deputado federal). (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
- publicidade -

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) adotou postura de cautela e interrompeu as negociações para a realização de uma reforma ministerial no início deste ano.

A articulação com os partidos do centrão, que vinha ocorrendo desde o ano passado, foi paralisada após o deputado federal Baleia Rossi (MDB-SP) ter efetivado nesta segunda-feira (4) alianças com siglas de oposição na disputa pela presidência da Câmara.

A bancada do PT anunciou, após reunião por videoconferência, que apoiará o candidato do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). A legenda tem a maior bancada, com 52 parlamentares.

O avanço do bloco de Maia convenceu Bolsonaro a seguir conselho de assessores palacianos, sobretudo da cúpula militar, de interromper negociações até que o cenário de favoritismo se torne mais claro, o que esperam que ocorra até o final de janeiro.

Além do PT, PDT, PSB, PC do B e Rede oficializaram a entrada na candidatura de Baleia. O receio no governo é de que o movimento possa mudar a posição de legendas como Solidariedade e PTB, que já tinham sinalizado apoio ao deputado federal Arthur Lira (PP-AL), líder do centrão e nome de Bolsonaro.

O diagnóstico no Palácio do Planalto é de que agora há chances concretas de uma vitória de Baleia. Caso ela ocorra, o mapa de cargos articulado até o momento terá de ser refeito, já que Bolsonaro será obrigado a negociar espaço com o MDB para garantir a votação da pauta de interesse do governo.

Em conversas reservadas, integrantes do centrão já tratavam com o Planalto a divisão de ministérios após uma eventual vitória de Lira. Nas negociações, eram discutidas indicações para os comandos de pastas como Turismo, Educação, Minas e Energia e a Secretaria de Governo

Para a Saúde, mesmo em meio à pandemia do coronavírus, o presidente avaliava retirar o general Eduardo Pazuello e nomear o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR). O assunto, segundo assessores palacianos, foi abordado no final do ano passado em reunião no Planalto.

Para o lugar do ministro Onyx Lorenzoni, que hoje comanda a Cidadania, a ideia era nomear um indicado do Republicanos, sigla a qual se filiaram dois filhos do presidente: o senador Flávio Bolsonaro (RJ) e o vereador Carlos Bolsonaro, do Rio de Janeiro.

Com o anúncio do PT feito nesta segunda-feira, Baleia conta agora com o apoio de um conjunto de partidos que soma 278 parlamentares. Já Lira tem o respaldo de siglas que totalizam 206 parlamentares.

Para vencer a eleição, marcada para o início de fevereiro, é necessário ter o apoio mínimo de 257 parlamentares. A sinalização de apoio, no entanto, não significa a adesão completa da bancada da sigla à chapa eleitoral.

Isso porque elas só se tornam oficiais após o registro da candidatura, na véspera da votação, e podem mudar de postura até lá. Além disso, o voto é secreto, podendo haver traições de deputados à decisão oficial da bancada.

Nos bastidores, por exemplo, já são contabilizadas traições em legendas como PSL, PC do B e até mesmo no PT, entre aqueles que votaram contra o apoio a Baleia na bancada do partido.

A um mês para a eleição legislativa, a equipe ministerial tem, em conversas de bastidor, se dividido sobre o apoio de Bolsonaro ao líder do centrão. Na cúpula militar, e até mesmo no núcleo ideológico, há integrantes que não escondem simpatia por Baleia, apesar de rejeitarem Maia.

A posição unânime, contudo, é de que agora Bolsonaro não pode abandonar Lira, gesto que irritaria o centrão e poderia fomentar retaliações contra o presidente e a pauta do governo, sobretudo a econômica.

A estratégia é que Bolsonaro siga declarando apoio público a Lira, mas que a articulação política mantenha, em caráter reservado, contato com Baleia. O diálogo, segundo relatos feitos à reportagem, tem sido capitaneado pelo ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos.

O general tem uma boa relação com Baleia e simpatia pelo deputado. Apesar de Bolsonaro ter como principal objetivo neste início de ano derrotar Maia, o ministro da articulação política já foi mais de uma vez elogiado pelo atual presidente da Câmara.

Antes de Bolsonaro declarar apoio a Lira, militares do governo chegaram a defender ao presidente o nome de Baleia, já que o MDB teve uma série de posições favoráveis ao governo em votações importantes e hoje tem integrantes do partido nos postos de líder do governo no Senado e no Congresso.

A resistência a Lira tanto entre militares como entre ideológicos deve-se, sobretudo, à pressão do bloco do centrão por cargos no governo, com o objetivo de oferecê-los como moeda de troca por votos na disputa legislativa. Em conversa reservada, o próprio presidente já se queixou sobre o apetite do centrão.

Recentemente, segundo relato feito à reportagem, integrantes do centrão levaram ao Planalto uma lista com cerca de 500 cargos. A ideia é que os postos fossem oferecidos a partidos indecisos para assegurar apoio ao candidato de Bolsonaro.

O receio do governo é que a exigência por cargos seja uma prática permanente durante uma eventual gestão de Lira, o que deixaria Bolsonaro, nas palavras de um assessor palaciano, em situação de chantagem ininterrupta.

Um aliado do governo define Lira como o “novo Eduardo Cunha”, em uma referência ao ex-presidente da Câmara que autorizou a abertura de processo de impeachment contra a então presidente Dilma Rousseff (PT).

Antes de instaurar o processo, que levou ao afastamento da petista, o deputado federal do MDB fez ameaças contra o governo em troca de apoio no Conselho de Ética da Câmara.

Segundo integrantes do centrão, o grupo de Lira até tentou impedir uma candidatura de Baleia. De acordo com relatos feitos à reportagem, houve uma ofensiva sobre o MDB do Senado para forçar a desistência do deputado, iniciativa que acabou fracassada.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode sair do site, caso não concorde. Ok Saiba mais