Prefeitura de Parnamirim busca soluções para entulhos e lixos

- publicidade -

Nem a chuva que ocorreu na manhã deste sábado (12) em Parnamirim nem o sol escaldante que surgiu depois foram páreos para a equipe de Fiscalização de Descarte Irregular de Resíduos Sólidos. Mesmo com a precipitação nas primeiras horas da manhã, as viaturas foram a campo em busca de situações potenciais de flagrante de resíduos sólidos sendo depositados de forma inadequada, prática recorrente nas grandes cidades. Um dos objetivos da Comissão é combater de forma rigorosa o descarte irregular de entulhos provenientes de construções civis, considerado crime ambiental.

A equipe composta por servidores da Limpeza Urbana (Selim), Meio Ambiente (Semur) e Guarda Municipal (Sesdem) mapeou novas áreas potenciais de acúmulo de resíduos da construção civil (RCC) nos bairros do Parque industrial, Vida Nova, Passagem de Areia, Nova Esperança, Cajupiranga – loteamento Sonho Verde – e Parque das Árvores. O cenário encontrado mais uma vez foi preocupante sob vários aspectos.

O lançamento do material que sobra de reformas e construções direto no solo obstrui as vias públicas, favorece os alagamentos em dias de chuva, compromete a paisagem e o ecossistema da região, incentiva a formação de lixões em áreas de mata, contamina o lençol freático e, como se já não bastasse, ainda serve de abrigo para a proliferação de mosquitos vetores de doenças, como é o caso do Aedes Aegypti, popularmente conhecido como mosquito da dengue, mas que transmite também a febre amarela urbana.

Em uma das intervenções realizadas em Parque das Árvores, a equipe identificou materiais muito propícios para a sobrevivência do mosquito que é um verdadeiro inimigo do homem. Um desses materiais foi o que talvez seja o maior símbolo de recipiente quando se fala em água parada, o pneu. Para completar, a água acumulada ainda fica na sombra a maior parte do dia, tudo que o mosquito precisa. O descarte indevido de resíduos sólidos está longe de ser um problema só de tirar a beleza dos lugares onde foi depositado indevidamente, de limpeza urbana ou de meio ambiente, trata-se também de saúde pública, aquela da qual toda a sociedade depende. Conclusão: não é um problema só de quem comete a conduta ilegal, mas da população como um todo.

A equipe da Fiscalização de Descarte Irregular de Resíduos Sólidos se reúne semanalmente para planejar ações, ajustar as abordagens e mapear novos pontos potenciais de despejo em outros bairros. Na próxima semana, a equipe dará início ao trabalho de reunião junto aos condomínios da cidade. Na segunda-feira (14) será a vez de dialogar, expor a problemática e discutir soluções com os moradores do Bosque dos Pássaros, no Parque do Jiqui.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode sair do site, caso não concorde. Ok Saiba mais